O Instituto Projeto Neymar Jr. ganhará novos sons a partir do dia 04 de fevereiro com o início da Aula de Música para os alunos do projeto diurno. A disciplina agora faz parte da grade de atividades educacionais voltadas para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O objetivo principal da aula é ensinar as diferentes culturas e instrumentos que abrangem a música, além de entreter e divertir a garotada.

Educadora Glaucia posa para foto na Sala de Música

De maneira lúdica, o INJR traz para 2019 um novo conceito de aula onde os alunos aprenderão com brincadeiras desenvolvidas para cada faixa etária. Quem está à frente do projeto é a educadora Glaucia Lotto, que possui Pós Graduação em Arte, Música e Neuropsicopedagogia. Ela conta que a programação das aulas está bem diversificada e que ao longo do ano algumas apresentações estão sendo programadas para os alunos.

“O principal objetivo é a apreciação musical eles vão se divertir, entender os ritmos, os instrumentos musicais existentes, às diferentes culturas tudo isso de uma maneira lúdica. Vamos trabalhar muito as brincadeiras de roda, parlendas, juntamente com os instrumentos musicais. Vamos ter percussão, violão e teclado”. Alguns dos instrumentos que fazem parte do acervo do INJR foram doados pela empresa PHX Instrumentos Musicais e Cassio e agora poderão contribuir para o aprendizado dos alunos.

A poucos dias do começo das aulas, Glaucia dia que a expectativa para o projeto é de que os alunos se interessem pela cultura e principalmente tenham curiosidade de conhecer novos instrumentos.  “Queremos que nasça neles a vontade e curiosidade de aprender mais! Eles têm que gostar de uma maneira que depois queiram estudar os instrumentos. Uma das coisas mais importantes é que a música age no cérebro que vai ajudá-los a entender e aprender melhor as disciplinas que têm na escola e aqui também”, explicou.

Outro ponto muito interessante e que vem de encontro com o propósito do Instituto é a inclusão. O projeto também atende alguns alunos especiais, como autismo, e com a experiência de Gláucia em Neuropsicopedagogia será de grande valia para o desenvolvimento deles. “Vamos trabalhar todos juntos na parte de terapia musical com eles. Para que eles interajam com outras crianças, porque a música não vê barreira entre as crianças”, finalizou.