Na data de 26 de setembro comemora-se o Dia Nacional do Surdo e visando trabalhar a inclusão social entre seus alunos, o Instituto Projeto Neymar Jr. realizou, nesta quinta-feira, atividades lúdicas sobre o tema. Em sala de aula, as crianças e adolescentes aprenderam a Língua Brasileira de Sinais e discutiram sobre a importância de respeitar as diferenças físicas da população surda.

Com o auxílio de vídeos educativos da empresa Hand Talk e do desenho animado “Min e as Mãozinhas”, os educadores do Instituto Neymar criaram atividades para ensinar aos alunos como são as saudações, apresentações entre pessoas e alimentos em Libras. A aluna da Turma D9, Daphynne Moraes, de 8 anos, falou com muita propriedade sobre o assunto, porque acha importante respeitar as pessoas com necessidades especiais.

“É importante aprender pra gente se comunicar com os surdos e aprendemos novas coisas. Tem muitas pessoas com deficiências físicas e a gente precisa se comunicar com elas e ser amigos delas, porque não somos iguais. Então a gente precisa ser legal com elas porque é importante para a sociedade”, contou Daphynne que gosta muito de fazer os sinais de bom dia e tchau, porque são algumas palavras importantes em uma conversa.

Daphynne fazendo sinais de Libras

Além dos vídeos interativos, os alunos fizeram rodas de brincadeiras para trabalhar a memória dos sinais e também em duplas introduziram uma conversação simples para simular uma apresentação formal para contar aos colegas quais eram seus nomes. Com olhares curiosos, os alunos interagiram com os professores e também fizeram perguntas sobre as palavras ensinadas em Libras.

Trabalhar a inclusão entre os colaboradores também é um objetivo no Instituto e, por isso, não é apenas nesta data que os alunos praticam os sinais de Libras, mas sim em todos os dias durante as atividades educacionais, com o auxílio dos professores. Compartilhar experiências que possam contribuir para um bom relacionamento e que agregue no crescimento profissional de sua equipe tem sido gratificante. Paulo Roberto Gonçalves, de 19 anos, é Professor de Libras no INJR e acha muito gratificante poder contribuir com sua experiência e conhecimento da Língua Brasileira de Sinais, junto das crianças e de seus colegas de trabalho.

“Eu nasci surdo e hoje sou professor. Eu vim trabalhar aqui no Instituto Neymar Jr. para trabalhar junto da inclusão, principalmente para que os alunos surdos e ouvintes, desde criança, consigam crescer, aprender e se desenvolver em Libras. Eu estou muito feliz em fazer com que as crianças aprendam e espero que no futuro a inclusão seja efetivamente feita em todos os lugares”disse.

Paulo ensinando aluno durante atividade sobre Libras

Quem também gosta de ter o contato com as crianças no dia a dia do trabalho é Vitor Sendin, de 18 anos, que é surdo e trabalha como auxiliar de almoxarifado no Instituto Neymar Jr. Ele conta que poder estar em contato com outras pessoas é muito gratificante para o seu conhecimento e por também ensinar os sinais de libras para seus colegas de trabalho.

“É importante a inclusão de pessoas surdas, cegas e cadeirantes e eu gosto de trabalhar aqui, porque as pessoas me ajudam, me ensinam e me orientam. E além disso, eu também posso ensinar a minha língua para eles”, afirmou.

A data de 26 de setembro é uma grande conquista para a comunidade surda e também serve como homenagem pela criação da primeira Escola de Surdos do Brasil, criada em 1857, na cidade do Rio de Janeiro, que hoje leva o nome de INES (Instituto Nacional de Educação de Surdos). Estima-se que só no Brasil há aproximadamente 45 milhões de pessoas com algum grau de deficiência auditiva.