Maykon Douglas Maciel, de 17 anos, da Turma 6, do Projeto Noturno, escreveu um lindo texto e cheio de intensidade sobre o que sentiu na quarentena. Enquanto as aulas na escola e no Instituto Projeto Neymar Jr. não voltam, ele falou sobre a experiência de conhecer um pouco mais de si. Veja abaixo o que ele escreveu.

Redação

Eu tenho sido várias versões de mim mesmo. Nessa quarentena aprendi e experimentei tantas coisas que nem cogitava a possibilidade de gostar delas. Zerei um monte de séries desconhecidas, comecei a ouvir bossa nova, aprendi a tocar a tão desejada música de Mozart, conheci tantas pessoas desconhecidas, virei a noite jogando com meus amigos e acordei muito tarde. Também fui dormir cedinho e acordei antes do sol, vi o nascer do sol de vários ângulos da minha janela, li tantas mensagens de saudades e lembrei de tantos momentos incríveis.

Me apaixonei e deixei que se apaixonassem por mim, dei gargalhadas que jamais tinha dado antes, e chorei como nunca havia chorando antes, contemplei a vida tão viva na janela de casa, e vi a morte ser um vazio inefável nos olhos dela. E quanto mais eu sou uma nova versão de mim mais eu vejo que existe infinitas possibilidades de ser quem eu nunca fui.

Talvez essa quarentena me deixou um pouco perdido no começo, e ao logo do tempo eu me encontrei. E agora eu vejo que a vida é exatamente assim, as vezes nós temos que estar perdidos em todo externo para conseguir nos encontrar internamente dentro de nós mesmos.